Exposição da Colecção ZineFestPt 2017

O ZineFestPt é o primeiro ZineFest, entre vários outros que acontecem pelo mundo, a ser realizado também agora em Portugal.

Começou em 2015 e apresenta uma série de actividades conjuntas, com projecção nacional e internacional, acerca do universo zine, da micro-edição, da auto-edição e da publicação. Em 2016 dá início a uma colecção de livros de artista, arte postal e sobretudo de fanzines, mediante várias contribuições e doações de todos quantos desperta interesse e proximidade. Coleccionar zines, livros de artista e arte postal é um acto de procura e de encontro, é uma dinâmica de ligações de afecto, não é uma actividade elitista, é para todos e gostávamos que estivessem presentes.

A actual exposição junta os diversos Zines, Livros de artista e Arte postal, chegados mais uma vez para esta edição de dezembro 2017, e todos os que foram enviados em maio deste mesmo ano para o miniZineFestPt que ocorreu na Livraria/Galeria Mundo Fantasma, no Porto. Também se acrescentam alguns envelopes e outros postais enviados via correio/arte postal de anos anteriores – pois é este o caminho, envia o teu Zine, Arte Postal ou livro de artista e junta-te a esta fantatikzine colecção. Obrigada!

E agradecemos também à Chave Treze que nos deu apoio na montagem e ainda teve tempo de fazer este vídeo espetacular! eheheh

Exposição “Estado de Vigilância”, de Sama no ZineFestPt 2017

Em literatura, cinema ou no universo das bandas desenhadas,
eu sempre curti uma “distopia”. Uma visão sombria de um
futuro punitivo para a nossa cruel negligência humana… Mas
confesso que nunca imaginei que iria vê-la acontecer de
verdade, mesmo depois de tantas guerras, crises e conquistas.
Penso que devíamos ter aprendido mais com a nossa história.


O curioso, é que, com exceção de algumas zonas em
conflito,”oficialmente” o mundo está em paz. Mas mesmo assim
podemos identificar no globo, várias características distópicas
ocorrendo a nossa volta, tais como nas obras: “1984”,
“Admirável Mundo Novo”, “Choque do Futuro”, “Fahrenheit
451” entre outras… Identificamos na nossa realidade, sombrias
previsões destes livros que estão a acontecer, inclusive até em
alguns países que declaram-se como democracias laicas.
Enquanto você lê estas linhas, nalguns sítios deste planeta
está a ocorrer: a proibição de publicações e leitura de
determinados livros, a censura de exposições de arte, crenças
fundamentalistas a substituir conceitos científicos, gentrificação
e monetização do indivíduo, destruição sistemática do meio
ambiente, segregação econômica e racial entre povos, além de
outras aberrações em nome da nova ordem que quer tomar o
universo para si. Tudo isso passa-se sob o véu da ilusão de
que existimos numa comunidade globalizada e tolerante onde
desfrutamos da opção da “hiper-escolha”, tão valorizada no
chamado, mundo livre. Livre para o capital, só se for, porque
neste cenário, está cada vez mais difícil para o indivíduo existir
na sua plenitude sonhadora. Se o que era ficção tornou-se real,
fique atento, pois nesta lógica, em breve você será a ficção, um
mero dado a ser acrescentado no grande arquivo da máquina.
Ouvi dizer que sonhar nos mantém fora do alcance da
máquina. Mas sonhe em estado de vigilância, porque a máquina não dorme.

Sama, 2017

Exposição Rua Dentro da Casa, de Walter Almeida, Bruno Algarve e Bárbara Melo no ZineFestPt 2017

Rua Dentro da Casa é uma mostra de trabalhos de Walter Almeida, Bruno Algarve e Bárbara Melo. Num primeiro momento os autores deambulando pelas ruas da cidade do Porto procederam à descoberta e à recolha de matrizes em relevo, com base em marcas, texturas, tipografias, sinalécticas, etc., numa fase seguinte já na Casa Azul, espaço oficina, criaram as matrizes e as variadas técnicas de impressão manual, como a serigrafia e o stencil, e deram lugar à produção de provas num trabalho colectivo de experimentação gráfica. As imagens expostas são este resultado.